Cinco tipos de vídeos úteis para uma empresa

Uma das disrupções tecnosociais mais marcantes dos últimos cerca de dez anos foi o consumo de vídeos na chamada “pequena tela”, incluindo smartphonestablets e computadores, ao contrário da norma vigente até então que condicionava sua exibição ao cinema e à televisão. Toda a transformação tecnológica que assistimos, seja de ordem estrutural, com o aumento na velocidade de transmissão de dados na internet, seja de ordem comportamental, com a aderência em massa às redes sociais e as novas linguagens advindas da cultura digital, acabou por privilegiar a produção e o consumo de vídeos, colocando-os como uma das técnicas mais refinadas e versáteis de comunicação entre as empresas e seus públicos.

Neste contexto, é apresentado um singelo elenco com particularidades dos principais tipos de vídeos que podem ser utilizados no cotidiano empresarial e com diferentes finalidades, sejam estas melhorar a imagem da marca, promover mais comunicação com o público, aumentar vendas, reter e capacitar profissionais, valorizar momentos significativos, entre outros.

  1. Vídeo institucional: seu objetivo é apresentar um panorama da empresa ou organização, incluindo aí elementos materiais (imagens da sede, das pessoas, dos produtos etc.) e imateriais (crenças, valores, informações históricas etc.). Ele pode ou não incluir depoimentos e sua duração varia de um a três minutos. Uma das principais vantagens do vídeo institucional é seu prazo de validade: a menos que a empresa passe por mudanças significativas, aquela mensagem terá legitimidade por, no mínimo, um ano. Um exemplo pode ser verificado neste link: http://bit.ly/ExemploInstitucional.
  2. Cobertura de evento: como já diz o próprio nome, sua função é registrar uma ocasião, como integrações, seminários, ações de responsabilidade social, inaugurações, lançamentos e festas corporativas. Geralmente, são feitas entrevistas com alguns participantes no local e captadas imagens de diferentes momentos do evento. Sua duração varia de um a três minutos. Uma referência para esse tipo de vídeo está neste link: http://bit.ly/CoberturaEvento.
  3. Vídeo-conteúdo: utilizado para promover o relacionamento com o público nos canais digitais (redes sociais, blog, newsletter etc.). Pode ser gerado a partir de um depoimento, como no caso de um médico que explica o tratamento de uma doença ou de um técnico que esclarece sobre o funcionamento de uma máquina, ou desenvolvido inteiramente pela técnica de animação, a chamada motion design. Sua duração, geralmente, não ultrapassa os dois minutos. Aqui segue um exemplo deste tipo: http://bit.ly/ExemploConteudo.
  4. Treinamentos: criado para gerar economia e uniformizar a transmissão da mensagem, esse tipo de vídeo é utilizado em integrações de novos profissionais na empresa ou para orientar sobre determinado assunto, como medidas de segurança ou particularidades de um produto, por exemplo. Pode ser gerado com a participação de um instrutor, com a simulação de situações (uso de equipamentos de segurança, por exemplo) ou apenas com um locutor ao fundo. Sua duração é bastante flexível, dependendo da complexidade e quantidade de informações que se quer transmitir. Neste link, é apresentado um exemplo: http://bit.ly/ExemploTreinamento.
  5. Documentário: utilizado para retratar temas mais abrangentes e complexos. Envolve o depoimento de diferentes personagens, que aportam pontos de vistas particulares, e assim se constrói um discurso. Sua produção é mais elaborada, demanda a preparação de um roteiro para nortear o trabalho e sua duração é mais extensa, geralmente ultrapassando cinco minutos. Uma referência pode ser visualizada neste link: http://bit.ly/VideoDocumentario.

Cabe destacar que os parâmetros de cada tipo de vídeo são flexíveis. Procurou-se apresentar algumas das práticas mais gerais existentes no mercado. Em relação ao fator tempo, cada vez mais a orientação é reduzi-lo ao máximo, mas trata-se de uma escolha relativa. Fato é que as pessoas, sim, são extremamente inquietas e apressadas na internet, mas se o objetivo é reproduzir o vídeo durante uma palestra, por exemplo, a realidade é diferente. Portanto, há muita relatividade nesses imperativos do mercado. Para finalizar, podemos apontar que um bom vídeo é aquele que satisfaz a necessidade da empresa, então sua execução deve ser precedida de uma reflexão crítica e estratégica dos rumos que a organização está tomando.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email